9

O fruto proibido: Encontrada mulher descendente de Adão e Eva

Ola a todos, antes de qualquer coisa, quero agradecer a todos que prestigiam nosso blog, reconheço que tem sido difícil postar frequentemente, mais mesmo assim, vejo que o Rebobinando tem despertado o interesse de muitos que vem nos prestigiando e isso só nos traz alegrias e motivação para continuar, OBRIGADO A TODOS.

Bom, quem não conhece a história de Adão e Eva, creio que todos.

Eva estava feliz da vida naquela maravilha que era o Jardim do Éden. Até que uma astuta serpente a seduziu a comer o fruto de uma árvore frondosa – o único proibido por Deus. A mulher sucumbiu, comeu do fruto e o dividiu com Adão. Por causa da maçã, os dois foram expulsos do paraíso.

Esta tudo errado, segundo o jornalista americano Dan Koeppel.

 A tradição cristã sempre relacionou o relato da Bíblia à maçã. Mas, segundo o jornalista americano Dan Koeppel, há muitas evidências de que o tal fruto proibido que teria desgraçado os dois moradores do Éden seja mesmo a banana. A maçã só teria aparecido no ano 400, com a versão da Bíblia escrita em latim por São Jerônimo. O trabalho, conhecido como Vulgata, foi largamente difundido nos séculos posteriores, especialmente após Johannes Gutenberg inventar os tipos móveis, no século 15. A confusão teria se espalhado assim: ao traduzir do hebreu a descrição do fruto proibido do Jardim do Éden, São Jerônimo escolheu a palavra malum. Segundo historiadores, com a intenção de dizer “malicioso”. Mas malum também significa maçã em latim – e, com a Bíblia impressa em larga escala por Gutenberg, o erro teria ganhado força.

Adão e Eva, de acordo com a Bíblia que conhecemos hoje, teriam usado folhas de figueira para cobrir seus corpos nus. Folhas de figueira, argumenta korppel, não são grandes o suficiente para cobrir nada. Folhas de bananeira, sim. E a evidência é reforçada pelo que poderia ser mais uma confusão de tradução: banana, durante um período, era chamada de figo.

 jornalista americano Dan Koeppel

A obsessão de Dan Koeppel por bananas começou em 2003. Nessa época, uma matéria publicada pela revista britânica New Scientist chamou a atenção do jornalista, editor contribuinte da americana National Geographic. O texto falava de uma praga, ainda sem cura, que ameaçava plantações de banana. Koeppel decidiu que aquela matéria terminava exatamente onde começaria outra: a sua.

O jornalista propôs o tema aos editores da Popular Science, revista para a qual também colaborava. Eles toparam – e o que era para ser uma matéria virou livro. O resultado está em Banana: the Fate of the Fruit That Changed the World (“Banana: o destino da fruta que mudou o mundo”), publicado nos Estados Unidos em dezembro de 2007 e sem edição em português. A pesquisa incluiu viagens a Bélgica, Equador, Honduras e China, dezenas de entrevistas e uma extensa coleta de documentos. O texto demonstra que, se a banana não mudou o mundo, como quer provar o autor no título do livro, ela esteve presente em momentos decisivos da nossa história. E corre o risco de desaparecer.

Depois que soube dessa bananada, comecei a entender o caso da mulher que tem medo de banana.

  Fran fica nervosa até com bananas em fotos


A inglesa Fran Dando, 21, tem uma das fobias mais bizarras que se tem notícia: ela tem medo de bananas. Tudo começou quando tinha sete anos e seu irmão colocou uma em sua cama. “Senti uma coisa grudenta e horrível. Fiquei aterrorizada”, contou ao tabloide "The Sun".

 Se ela vê uma banana, começa a hiperventilar, suar e até vomita. Para seu azar, o filho de dois anos ama a fruta. Ela disse que usa luvas para servi-lo, mas conta que fica nervosa até mesmo quando vê bananas em fotos, e tem que sair do ambiente onde elas se encontram.

Bom pessoal, diante desses fatos, essa mulher só pode ser descendente de Adão e Eva rsrs

9 Comentários:

Eduardo Montanari rebobinou e disse...

É impressão minha ou na foto essa está fazendo o cacho de bananas levitar com a força do pensamento?
Quanto a "Banana, o destino da fruta que mudou o mundo", daria um bom nome para um filme de Hollywood. heheh...

Regina Rozenbaum rebobinou e disse...

Mininu, amado!
Com essas histórias inté mudei my bad mood, de hoje, para good mood...E aí já viu NOSSO LAR? Fui nesse final de semana e mesmo não entendendo nadica de nada de produções cinematográficas posso afirmar que é ESPECIAL!
Beijuuss n.c.

www.toforatodentro.blogspot.com

hobbyblogclube rebobinou e disse...

Olá, Marcos!
Até faz um certo de sentido, já pensou reescrever toda uma história? Sinceramente, do jeito que a Igreja é, mesmo constatando a história ser verdadeira, não daram a banana, quereo dizer o braço, à torcer!
Abçs!
Rike.

Anônimo rebobinou e disse...

Ola
a história é interessante
mais essa história de banana é esquisita
tudo bem que a Eva fosse chegada numa banana
mais o Adão eu não entendi rsrs

grande abraço

Bruno Castilho

wall Lamberty rebobinou e disse...

Oi Marcos, tudo bem? Como está coleguinha de blog, passei aki só para dar um oizinho!
Beijos! *-*

Priscylla Islla rebobinou e disse...

haha' adorei essa tese. É algo a ser analisado né? Fiquei curiosa agora. Será que foi maça ou banana o fruto proibido? UAHUA :S
Blog cada dia mais interessante, beijos ;*

Mary rebobinou e disse...

G-jusis... a banana foi? Adoro! Faz sentido a Eva ter perdido o paraiso por causa dela, devia ser a melhor e painho tava escondendo kkk... muito curioso! bjokas

Anônimo rebobinou e disse...

Na verdade não se sabe exatamente se era maçã e na biblia tambem nao fala ~´os só sabemos q era um fruto proibido todos falam q era uma mação mais lembrem-se nao se sabe ainda que fruta era só se sabe que era um fruto proibido então nao afirmem que era uma maçã

Anônimo rebobinou e disse...

e tambem nao afirmem que era uma banana

Postar um comentário

REGRAS DO BLOG
- Todos os comentários são moderados e só ficarão disponíveis após serem aprovados.

SERÃO BLOQUEADOS OU APAGADOS AQUELES COMENTÁRIOS QUE CONSISTAM EM:
- Ofensas, grosserias e discordâncias desrespeitosas contra o autor do blog, ou outros comentaristas;
- Comentários com o objetivo exclusivo de perturbar (trollagens, provocações e bullying virtual)
- Comentários sem relação alguma com o conteúdo;
- Comentários duplicados;
- Com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa, grupo de pessoas e instituições;
- Pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;
- Propagandas políticas, religiosas, de produtos e serviços.
- Comentários que caracterizem prática de spam;

 
no-repit center;