36

Analisando letra - Ideologia (Cazuza)


Aos caros Leitores Rebobinantes, meu olá. Como vão?

Bom galera, no analisando letra de hoje, trago uma canção que esta entre aquelas que gosto muito, se bem que todas as musicas que analiso aqui fazem parte da minha playlist, mas essa eu diria que é uma daquelas que não me canso de ouvir.

Com música de Roberto Frejat e letra de Cazuza, Ideologia é a faixa título do terceiro álbum solo de Cazuza. O álbum foi gravado logo depois de Cazuza voltar ao Brasil, em dezembro de 87. O músico passou três meses nos Estados Unidos fazendo tratamento para a AIDS. Sobre o álbum, Cazuza disse:


"Quando fiz "Ideologia", nem sabia o que isso queria dizer, fui ver no dicionário. Lá estava escrito que indica correntes de pensamentos iguais e tal… A música, por sua vez, é muito pessimista, porque, na verdade, é a história da minha geração, a de 30 anos, que viveu o vazio todo. É meio amarga porque a gente achava que ia mudar o mundo mesmo e o Brasil está igual; bateu uma enorme frustração  Nos conceitos sobre sexo, comportamento, virou alguma coisa, mas deixamos muito pelo caminho. A gente batalhou tanto e agora? Onde chegamos? Nossa geração ficou em que pé?"


 Eu particularmente, considero essa musica como um grito de socorro, de alguém que viu tudo em que acreditava ir por água abaixo. É impressionante como essa canção ainda é tão atual.

Então, vamos a analise:



Analisando letra: Ideologia (Cazuza)


Meu partido é um coração partido
E as ilusões 
Estão todas perdidas
Nesses versos, o poeta faz uma alusão entre partido politico e coração partido, mostrando o quão estava infeliz e insatisfeito com a atual politica do país, e o quanto se iludiu por acreditar na mudança da mesma.

Os meus sonhos foram todos vendidos
Tão barato que eu nem acredito
Eu nem acredito
Ah! eu nem acredito...
Esse trecho me da a ideia de traição, talvez o poeta aqui, queria demostrar, que se sentia traído, enganado, por ver seus sonhos e tudo aquilo em que acreditou ou acreditava ir por água a baixo. Na quela época, havia um sonho pós ditadura, uma crença em dias melhores e que a democracia resolveria todos os problemas do país.

Em uma entrevista Cazuza diz: A música, por sua vez, é muito pessimista, porque, na verdade, é a história da minha geração, a de 30 anos, que viveu o vazio todo. É meio amarga porque a gente achava que ia mudar o mundo mesmo e o Brasil está igual; bateu uma enorme frustração. Nossos conceitos sobre sexo, comportamento, virou alguma coisa, mas deixamos muito pelo caminho. A gente batalhou tanto e agora? Onde chegamos? Nossa geração ficou em que pé?"

Essa entrevista deixa bem clara essa assentação de sonhos vendidos a troco de nada (barato), que o poeta sentia.

Que aquele garoto
Que ia mudar o mundo
Mudar o mundo
Frequenta agora
As festas do "Grand Monde"...
Aqui ele deixa mais claro ainda a ideia de que tudo aquilo em que creditou e lutou, tinha se perdido. Cazuza disparava contra a burguesia da época, mencionando nessa frase, de modo obscuro, o fato de que ele nascera no berço da sociedade cultural endinheirada carioca, se rebelou contra ela por uns tempos e depois, voltou a circular pelas festas da nata da elite carioca, há também fortes indícios de que ele esteja mencionando uma boate de São Paulo, chamada Grand Monde, do mesmo dono do Val Improviso, de “Só as mães são felizes”, ambas, boates de Transexuais e Gays, frequentadas por milionários, políticos e artistas da década de 80 Cazuza frequentava o submundo da Boca do Luxo em Sampa, e ao frequentar esse lugar ele reafirma que foi derrotado pelo poder e passa comemorar com eles a desigualdade social. 

Meus heróis
Morreram de overdose
Meus inimigos
Estão no poder
Aqui, claramente o poeta referencia e reverencia Jim Morrison, Janis Joplin, Jimi Hendrix, entre muitos outros que na década de 70 perderam suas vidas por overdose de drogas e álcool, fazendo uso da licença poética, Cazuza associa os trechos em síntese, narrando o momento (na época), como quem se queixava de que: seus grandes artistas e referências se perderam para as drogas enquanto que aqueles que reprovava estavam no poder, e havia muito pouco que pudesse ser feito.

Ideologia!
Eu quero uma pra viver
Ideologia!
Eu quero uma pra viver...
IDEOLOGIA: Conjunto de valores que funde ideais políticos, estilo escolhido de vida, valores morais e conceitos pessoais, que norteiam a escolha de qual lado se vai estar, especialmente em sociedades profundamente desiguais, como era e ainda é a sociedade brasileira. Mencionar “eu quero UMA pra viver” indica que Cazuza se via confuso e desiludido com o andamento do país e que tinha mudado tantas vezes de “ideia”, que, sentia-se compelido a buscar um lugar que pudesse identificar como seu naquele panorama. Coisa difícil de ser conseguida com uma sequencia desastrosa de governos de: Itamar, Sarney e Collor, planos econômicos absurdos, confiscos de poupança e especialmente por uma sociedade apática que não reagia diante de desigualdades inacreditáveis e resquícios de ditadura; para piorar, a energia artística do Rock na época se esvaia, tornando a visão geral da coisa toda, no mínimo tenebrosa, restando a ele se confortar com a verdade de que ser artista e genial, não muda em quase nada certos mecanismos.

O meu prazer
Agora é risco de vida
Ao vivo Cazuza cantava essa frase com a seguinte letra: “o meu tesão agora é risco de vida”, óbvio que ele mencionava o fato de que sua roleta-russa sexual, o tinha levado a uma condição em que ele poderia ser reinfectado ou infectar parceiros sexuais (lembrando que as pessoas portadoras de HIV podem se infectar por outros genótipos do vírus, complicando muito o quadro e o tratamento) Com esse verso, pela primeira vez, ele assume que a doença mexeu com sua vida e que o sexo, que ele sempre declarou ser o maior prazer do mundo, havia se tornado um risco.

Meu sex and drugs
Não tem nenhum rock 'n' roll
Uma frase magistral de Cazuza que define seu estilo de vida pela máxima que vivera até então, a do Sexo, Drogas e Rock’n’Roll, muito usada na década de 70. Aqui, Cazuza desabafa confessando que seu estilo de vida, regado a Sex and Drugs (sexo e drogas), já não tinha mas graça, já não tinha a poesia do Rock’n’Roll, mas tinha se tornado um pesadelo no qual ele estava vivendo. Com a saúde já debilitada, fazer sexo desprotegido e usar drogas descontroladamente, não tinha nada de poético ou de estiloso, mas sim, era uma estupidez. (estupidez que ele não conseguia evitar, Cazuza bebia muito, mesmo tomando os coqueteis contra a AIDS), mas , reconhecia a estupidez como um fato presente. 

Eu vou pagar
A conta do analista
Pra nunca mais
Ter que saber
Quem eu sou
Ah! saber quem eu sou..

Aqui ele deixa claro a indignação e revolta, diante da sua condição de doente, diante de uma luta que ele sabia que não iria ganhar. Ele muda completamente seu discurso, e deixa transparecer um desejo obscuro, em que pensa em abandonar tudo, análise, médico, remédios e (transfusões de sangue de cavalo) “SIM, CAZUZA FEZ INCLUSIVE ISSO NA TENTATIVA DE VIVER UM POUCO MAIS E MELHOR”… ele ameaça jogar tudo pro alto e esquecer sua força e gana pela vida, coisa que em momento algum ele fez, mas vale a licença poética de se permitir mandar tudo pro inferno e sumir, aqui Cazuza fala nisso, em metáfora.

Pois aquele garoto
Que ia mudar o mundo
Mudar o mundo
Agora assiste a tudo
Em cima do muro
Em cima do muro...
 
Demonstração clara de impotência e frustração, sem tomar partido e sem se posicionar (coisa que Cazuza nunca fez), logo a seguir, ele fuzilou a burguesia, os políticos, a sociedade e chegou a escrever “eu sou burguês mas eu sou artista”, “o bom burguês é bom operário”, portanto, aqui Cazuza faz uma piada consigo mesmo, como quem diz: “estou em cima do muro, pois não tenho o que fazer nesse momento, mas me aguardem”. 

Bom, é isso galera, e para encerrar nada melhor que assistir ao clip.

 
GOSTOU? SIGA-NOS NO FACE



36 Comentários:

Sozynho rebobinou e disse...

Olá, Marcos!
Também sou grande fã deste disco - e do Cazuza também!
Abçs!
Rike.

Sissym rebobinou e disse...

Esta musica, assim, prestando atenção, é uma lição de vida.

Eu tambem pensava, quando criança, que seria capaz de mudar o mundo, mas nao tive oportunidade, mas nao desisti ainda!

Beijos e otimo domingo para voce.

lucidreira rebobinou e disse...

Olá amigo Marcos, por incrível que pareça dei esse disco ao meu filho que hoje tem trinta e seis anos, e ele elogia este fato, pois se tornou fã do Cazuza. Eu particularmente acho um poeta e tanto, mais como artista de palco fica a desejar, não curto muito.
No demais ele deixou seu legado.
Abraço

Pecado Capital rebobinou e disse...

Todos tem o sonho de fazer um mundo melhor quando crianças.
Pena que depois vamos para cima do muro mesmo.
Ficou muito boa sua analise.
beijão Marcos.

Juci Diass rebobinou e disse...

olá guri

penso como tu a respeito da musica

que na verdade é perfeita ao menos pra mim

e fala de modo estraordinario

sobre suas frustrações

bjim guri

Sissym rebobinou e disse...

Li e AODREI o seu comentario, respondo:
"Apavorante, mas eu creio que o amor já está numa reta final no congelador da raça humana. A indiferença é cruel, as palavras falam bonito e se contradizem com as atitudes."

Beijos

Anônimo rebobinou e disse...

Valeu cara, sua análise me serviu de subsídeo para as aulas de filosofia. Parabéns!

Anônimo rebobinou e disse...

Valeu cara, sua análise me serviu de subsídeo para minhas aulas de filosfia.

Marcos Mariano rebobinou e disse...

Olá amigo anônimo, fico contente em saber que essa postagem te ajudou, é bom saber que o que temos feito aqui não é em vão, e que de alguma forma tem ajudado as pessoas. Volte sempre abraços.

Anônimo rebobinou e disse...

Na minha opinião essa é uma das musicas mais fodas do Cazuza.. Parabéns pela análise ^^ Ideologia.. eu quero uma pra viver! (8)

Anônimo rebobinou e disse...

Boa analize. Parabéns. Me serviu de grande inspiração para minhas respostas aqui do meu trabalho.

Anônimo rebobinou e disse...

muito bom

Rafael Trindade rebobinou e disse...

Muito bom. Essa analise me serviu muito.
Obrigado.

Rafael Trindade rebobinou e disse...

Muito bom essa analise, me ajudou muito. Obrigado !

Anônimo rebobinou e disse...

pARABÉNS.

Anônimo rebobinou e disse...

Massa! Vou utilizar sua análise em minha aula de Sociologia. Perfeita!!!

P. S. Utilizarei os créditos. Posso?

Emília Rios

Marcos Mariano rebobinou e disse...

Olá Emília, fique a vontade, afinal a ideia do blog é justamente compartilhar informações, obg por prestigiar o Rebobinando. Abraços

Anônimo rebobinou e disse...

Analise otima da musica. Parabens

Thaiane Aguiar rebobinou e disse...

adorei, melhor que encontrei!

AndressaVanessa Martins rebobinou e disse...

Amei seu blog... é muito criativo...

AndressaVanessa Martins rebobinou e disse...

Amei seu blog Mariano ... Muito criativo.. e me ajudou muito no trabalho de filosofia.. valeu!!!

Marcos Mariano rebobinou e disse...

vlw AndressaVanessa Martins volte sempre, grande abraço

Anônimo rebobinou e disse...

ameii

Anônimo rebobinou e disse...

legal!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Samuel Lucas masson rebobinou e disse...

muto bom me ajudou com o trabalho de socio vlwwww

Anônimo rebobinou e disse...

Cara tem a ver com a queda do muro de Berlim

Anônimo rebobinou e disse...

Adorei. Vai me ajudar muitooo na minha aula de filosofia q vou dar essa semana sobre ideologia. Obrigada

Deilson Barbosa rebobinou e disse...

Muito boa analise. Estava comentando sobre a letra hj na faculdade. Abçs

Jean Francisco rebobinou e disse...

Olá, você poderia fazer a Analise da musica, Brasil ( Cazuza ) ?

Anônimo rebobinou e disse...

MUY BUENO

Gil Silva rebobinou e disse...

Achei muito inteligente tua análise e muito interessante a contextualização histórica fas partes da música com a vida do artista.

Anônimo rebobinou e disse...

Cara, obrigado. Eu estou procurando uma análise de " Ideologia " há muito tempo, você facilitou meu trabalho asjasja

anonimo rebobinou e disse...

Olá! meu nome é Roberta, e curti bastante a análise desta composição de ideologia. Oque vc me diria sobre "só as mães são felizes?

João Luiz Romão rebobinou e disse...

Perdão, mas não concordo com sua crítica ao Suassuna nem com sua análise. Sou professor de Filosofia e existe o texto e contexto. A crítica do Ariano é extremamente contextual e válida. Não devemos,nem como licença poética ou análise, heroicidade quem abusa ou morrer de overdose. Em especial quando se fala aos jovens.
Espero que publique.

Isabel Bracho rebobinou e disse...

Muito boa mesma, deixou bem claro qual o sentido da música.

Isabel Bracho rebobinou e disse...

Muito boa mesma, deixou bem claro qual o sentido da música.

Postar um comentário

REGRAS DO BLOG
- Todos os comentários são moderados e só ficarão disponíveis após serem aprovados.

SERÃO BLOQUEADOS OU APAGADOS AQUELES COMENTÁRIOS QUE CONSISTAM EM:
- Ofensas, grosserias e discordâncias desrespeitosas contra o autor do blog, ou outros comentaristas;
- Comentários com o objetivo exclusivo de perturbar (trollagens, provocações e bullying virtual)
- Comentários sem relação alguma com o conteúdo;
- Comentários duplicados;
- Com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa, grupo de pessoas e instituições;
- Pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;
- Propagandas políticas, religiosas, de produtos e serviços.
- Comentários que caracterizem prática de spam;

 
no-repit center;